ESTUDOS BÍBLICOS

Saturday, December 06, 2014

ROMPENDO COM O PECADO

"Portanto, uma vez que Cristo sofreu corporalmente, armem-se também do mesmo pensamento, pois aquele que sofreu em seu corpo rompeu com o pecado, para que, no tempo que lhe resta, não viva mais para satisfazer os maus desejos humanos, mas sim para fazer a vontade de Deus." (1 Pedro 4:1-2)

Entre os diversos conceitos de profundas dimensões teológicas existentes nesses dois versículos, o que me salta aos olhos é o de rompimento com o pecado. As pessoas só podem romper com aquilo que celebraram um compromisso. Podemos romper noivados, namoros, casamentos, promessas, contratos, enfim, alianças.

Quando Pedro diz que Cristo rompeu com o pecado, isso significa que a humanidade possui um pacto com a iniqüidade, uma relação íntima e fiel em como errar o alvo. Possui uma aliança em servir a sua própria vontade em desprezo absoluto à vontade de Deus.

Somos depravados, capazes dos mais sórdidos desejos, pensamentos e ações. Somos moralmente inaceitáveis. Temos uma aliança para a condenação, cuja ruptura fora realizada por Cristo Jesus na cruz do Calvário, levando sobre si todas as nossas faltas, aniquilando o pecado como está escrito: "Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniqüidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos curados." (Isaías 53:5)

A quebra do vínculo com a pecaminosidade se dá por meio da graça salvadora do Senhor Jesus. Graça que nos conduz ao rompimento por meio de uma "mudança de pensamento" (metanoea), ou seja, por meio do arrependimento, que nos obriga a mudarmos de direção e a termos o mesmo pensamento de Cristo o qual nunca viveu para satisfazer seus desejos, mas, sim, para fazer a vontade de Deus.

Vivemos em tempos onde não queremos servir, mas sermos servidos. Somos individualistas, idólatras do Ego e  estamos dispostos às últimas consequências para fazer valer as nossas vontades, sucumbindo ante ao padrão do Senhor.

Há pessoas que rompem com todas as coisas, com a família, com a ética, com amizades verdadeiras, relacionamento conjugal, com os filhos, com tudo que se apresente como um empecilho para seus "sonhos", mas são incapazes de romper com o único elemento que realmente importa. Sem rompermos com o pecado é impossível termos a mente de Cristo e sermos santificados e termos a vida eterna.

Podemos optar em continuarmos pecando e irmos para o inferno ou podemos buscar a redenção em Cristo Jesus e recebermos a vida eterna!

Portanto, essa é a reflexão exigida, no tempo que nos resta, de que modo estamos vivendo?  Rompendo com o pecado para fazer a vontade de Deus ou em plena comunhão com ele pra satisfazer as concupiscências da carne?

Se você se sentiu tocado por essa mensagem e deseja fazer as pazes com Deus e romper de vez com o pecado, você apenas precisa  repitir de todo o coração essa oração: "Deus Pai Todo-Poderoso, tenho andando de modo completamente contrário à sua vontade, vivendo em pecado. Confesso-os a ti e me arrependo de todos. Muda meu caráter e me faz romper com a iniqüidade. Por isso professo Jesus Cristo como meu Senhor e meu Salvador pessoal. Escreve meu nome no Livro da Vida e me faz ter uma vida de santidade. Em Nome de Jesus! Amém!"

Caso seja a primeira vez que você tenha feito essa oração saiba que agora você faz parte da família de Deus. Busque uma igreja evangélica mais próxima da sua casa e conte ao pastor ou líder que ali estiver  sobre a sua decisão

Friday, December 05, 2014

DESTRUINDO O PECADO

"Aquele que pratica o pecado é do diabo, porque o diabo vem pecando desde o princípio. Para isso o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do diabo." (1 Joao 3:8)

O pecado é a causa da ruptura do relacionamento entre Deus e os homens. Foi através do pecado (hamartia) que a morte veio sobre nós. Pecar é errar o alvo, é se desviar dos propósitos do Senhor, é desobediência, é rebeldia contra o Todo-Poderoso.

Satanás sabe disso e por isso tentou Eva para que ela violasse o mandamento de não comer do fruto da Árvore da ciência do bem e do mal utilizando de todos os artifícios (mentira, bajulação, difamação, sacrilégio, cobiça etc.)

O texto acima mostra que o diabo vem pecando desde o princípio e é o arquiteto desse plano maligno de conduzir toda a humanidade, por meio do pecado, ao inferno. Em última instância, o único real problema da existência humana e de sua contradição (morte) é a questão do pecado!

Toda obra diabólica se reduz à tentar e conduzir os homens a se rebelarem contra Deus, pois o diabo sabe que Deus é justo, e apesar de todo o amor que nutre e possui por nós, ao pecador só lhe resta a condenação eterna.

Mas através de Jesus, a sua morte na cruz levando sobre si o pecado de toda a humanidade, por meio de seus sangue, nos dá a redenção, perdoando e nos purificando de toda a maldade.

Para isso que Jesus Cristo se manifestou, para destruir as obras do diabo, i.e., destruiu o pecado nos dando a vida eterna. Aquele que aceita a Jesus como Senhor e Salvador tem a sua vida regenerada e a morte não tem mais influência.

Amados, por isso uma vida de santidade é uma das marcas da salvação. Quem tem o Senhor Jesus não vive no pecado, mas em conformidade à vontade de Deus.

Tuesday, December 02, 2014

ANDAR COMO ELE ANDOU

"Aquele que diz que está nele, também deve andar como Ele andou." (1 João 2:6)

Em nosso estudo sobre 1 Reis 13 vimos duas características intrínsecas de um homem de Deus: submissão e obediência. Essas duas virtudes transbordavam em Jesus. A submissão pode ser claramente vista em sua oração no Getsemani: " Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres"(Mateus 26:39b). E a obediência em: "Aquele que me enviou está comigo; ele não me deixou sozinho, pois sempre faço o que lhe agrada"(Joao8:29).

Portanto, dois traços marcantes de Cristo é que, não importando as circunstâncias, Ele sempre se submeteu à vontade do Pai e sempre obedeceu ao Todo-Poderoso.

Temos o defeito de inventar estórias acerca das nossas qualidades nos valorizando e criando uma autoimagem irreal. Somos condescendentes e complacentes conosco e acreditamos que praticamos um cristianismo genuíno simplesmente porque vamos à igreja aos domingos, tocamos na equipe de louvor, damos o dízimo, participamos da EBD, ou ainda porque frequentamos a vigília de oração, falamos em línguas, pregamos etc.

Nada disso é significativo ou demonstra que somos cristãos. A força do evangelho está no discipulado, em viver como o Mestre viveu, pois aquele que diz estar nele, deve também andar como Ele andou! Ora, e o que é andar como ele andou a não ser viver em submissão e obediência ao Deus Pai?

Portanto, irmãos, aquele que se diz crente, porém vive no pecado é mentiroso e o Espírito do Senhor não está nele, pois os que se tornaram discípulos de Cristo abandonaram as velhas práticas e o modo corrupto de proceder e hoje vivem na graça do evangelho do amor, em absoluta submissão e obediência ao Deus Todo-Poderoso.

Nisto consiste o verdadeiro evangelho: em amar a Deus acima de todas as coisas, arrepender-se dos pecados abandonando-os, e andar debaixo da graça e misericórdia de Jesus Cristo vivendo pelo Espírito.

Que aprendamos a andar como Ele andou.

Monday, December 01, 2014

HOMEM DE DEUS: SUBMISSÃO E OBEDIÊNCIA

(por Juliano Henrique Delphino)

"1Por ordem do Senhor um homem de Deus foi de Judá a Betel, quando Jeroboão estava em pé junto ao altar para queimar incenso.
2 Ele clamou contra o altar, segundo a ordem do Senhor: “Ó altar, ó altar! Assim diz o Senhor: “Um filho nascerá na família de Davi e se chamará Josias. Sobre você ele sacrificará os sacerdotes dos altares idólatras que agora queimam incenso aqui, e ossos humanos serão queimados sobre você””.3 Naquele mesmo dia o homem de Deus deu um sinal: “Este é o sinal que o Senhor declarou: O altar se fenderá, e as cinzas que estão sobre ele se derramarão”.4 Quando o rei Jeroboão ouviu o que o homem de Deus proclamava contra o altar de Betel, apontou para ele e ordenou: “Prendam-no!” Mas o braço que ele tinha estendido ficou paralisado, e não voltava ao normal.5 Além disso, o altar se fendeu, e as suas cinzas se derramaram, conforme o sinal dado pelo homem de Deus por ordem do Senhor.6 Então o rei disse ao homem de Deus: “Interceda junto ao Senhor, o seu Deus, e ore por mim para que meu braço se recupere”. O homem de Deus intercedeu junto ao Senhor, e o braço do rei recuperou-se e voltou ao normal.7 O rei disse ao homem de Deus: “Venha à minha casa e coma algo, e eu o recompensarei”. 8 Mas o homem de Deus respondeu ao rei: Mesmo que me desse a metade dos seus bens, eu não iria com você, nem comeria, nem beberia nada neste lugar. 9 Pois recebi estas ordens pela palavra do Senhor: “Não coma pão nem beba água nem volte pelo mesmo caminho por onde foi”. 10 Por isso, quando ele voltou, não foi pelo caminho por onde tinha vindo a Betel. 11 Ora, havia um certo profeta, já idoso, que morava em Betel. Seus filhos lhe contaram tudo o que o homem de Deus havia feito naquele dia e também o que ele dissera ao rei. 12 O pai lhes perguntou: “Por qual caminho ele foi?” E os seus filhos lhe mostraram por onde tinha ido o homem de Deus que viera de Judá. 13 Então disse aos filhos: “Selem o jumento para mim”. E, depois de selarem o jumento, ele montou 14 e cavalgou à procura do homem de Deus, até que o encontrou sentado embaixo da Grande Árvore. E lhe perguntou: “Você é o homem de Deus que veio de Judá?” “Sou”, respondeu. 15 Então o profeta lhe disse: “Venha à minha casa comer alguma coisa”. 16 O homem de Deus disse: Não posso ir com você, nem posso comer pão ou beber água neste lugar. 17 A palavra do Senhor deu-me esta ordem: “Não coma pão nem beba água lá, nem volte pelo mesmo caminho por onde você foi”. 18 O profeta idoso respondeu: “Eu também sou profeta como você. E um anjo me disse por ordem do Senhor: “Faça-o voltar com você para a sua casa para que coma pão e beba água””. Mas ele estava mentindo. 19 E o homem de Deus voltou com ele e foi comer e beber em sua casa. 20 Enquanto ainda estavam sentados à mesa, a palavra do Senhor veio ao profeta idoso que o havia feito voltar 21 e ele bradou ao homem de Deus que tinha vindo de Judá: Assim diz o Senhor: “Você desafiou a palavra do Senhor e não obedeceu à ordem que o Senhor, o seu Deus, lhe deu. 22 Você voltou e comeu pão e bebeu água no lugar onde ele lhe falou que não comesse nem bebesse. Por isso o seu corpo não será sepultado no túmulo dos seus antepassados”. 23 Quando o homem de Deus acabou de comer e beber, o profeta idoso selou seu jumento para ele. 24 No caminho, um leão o atacou e o matou, e o seu corpo ficou estendido no chão, ao lado do leão e do jumento. 25 Algumas pessoas que passaram viram o cadáver estendido ali, com o leão ao lado, e foram dar a notícia na cidade onde o profeta idoso vivia. 26 Quando este soube disso, exclamou: “É o homem de Deus que desafiou a palavra do Senhor! O Senhor o entregou ao leão, que o feriu e o matou, conforme a palavra do ­Senhoro tinha advertido”. 27 O profeta disse aos seus filhos: “Selem o jumento para mim”, e eles o fizeram. 28 Ele foi e encontrou o cadáver caído no caminho, com o jumento e o leão ao seu lado. O leão não tinha comido o corpo nem ferido o jumento. 29 O profeta apanhou o corpo do homem de Deus, colocou-o sobre o jumento, e o levou de volta para Betel[55], a fim de chorar por ele e sepultá-lo. 30 Ele o pôs no seu próprio túmulo, e se lamentaram por ele, cada um exclamando: “Ah, meu ir­mão!” 31 Depois de sepultá-lo, disse aos seus filhos: Quando eu morrer, enterrem-me no túmulo onde está sepultado o homem de Deus; ponham os meus ossos ao lado dos ossos dele. 32 Pois a mensagem que declarou por ordem do Senhor contra o altar de Betel e contra todos os altares idólatras das cidades de Samaria certamente se cumprirá." (1 REIS 13: 1-32)

Em 1Reis 13 conta uma história de difícil interpretação, a do Homem de Deus que veio de Judá a Betel para denunciar o altar idólatra que Jeroboão havia levantado para corromper o povo de Samaria.

A ideia do rei era afastar qualquer influência do reino do Sul o que incluía, para isso, desviar o povo do caminho de YAWEH criando uma nova religião que desvinculasse da praticada no templo de Jerusalém.

Diante de tal abominação o Senhor levanta um profeta, chamado de homem de Deus (iyshi Elohim), o qual com veemência anuncia a futura destruição daquele altar por um descendente de Davi, o rei Josias.

A história possui várias nuances e antíteses, bem como várias camadas proféticas, entre as quais destacamos:

a) O Templo de Jerusalém  x Templo de Betel
b) Judá x Samaria
c) Jeroboão x Davi (Josias)
d) Palavra de Deus x falsa profecia
e) obediência x desobediência

A força desse texto é tamanha que a ordem de evitar "voltar pelo mesmo caminho" e " não comer, nem beber em Samaria" foram levadas aos extremos pelos judeus como bem relata o Evangelho de João 4, na história da mulher Samaritana.

É justamente essa parte mais complicada, da mudança de ideia do homem de Deus sobre as ordens do Senhor dando crédito a uma mentira (falsa profecia) de um velho profeta que "disse que recebera uma mensagem de um anjo", caindo em desobediência, que quero falar.

Duas lições importantes depreendem-se:

a) Submissão ao Senhor: Quem quer ser um homem de Deus tem de ter em mente que homem de Deus não é livre para viver como um vulgar, pois tem dono: o SENHOR Deus. Homem de Deus não faz o que quer, mas faz aquilo que o Todo-Poderoso manda (Joao 3:8 - O vento sopra onde quer. Você o escuta, mas não pode dizer de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todos os nascidos do Espírito) e a sua desobediência tem um "preço mais caro."

b) Obediência à Palavra: Não devemos crer à todo espírito que diz que tem uma mensagem dos céus trazida por anjos, nem se deixar levar por fábulas profanas, mas devemos ser radicais e permanecemos adstritos a uma estrita obediência aos mandamentos do Senhor revelados pela sua Palavra, a Bíblia ( Galatas 1:8 - Mas ainda que nós ou um anjo do céu pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado! ).

Portanto, sem submissão e obediência, inexiste homem de Deus.

Tuesday, October 28, 2014

DEUS NÃO NOS DEVE SALÁRIO

"Ora, o salário do homem que trabalha não é considerado como favor, mas como dívida." ( Romanos 4:4)

por Juliano Henrique Delphino

O ser humano tem em sua mente a "lei da retribuição". Talvez esse pensamento tenha surgido da observação da natureza, notadamente a agricultura, pois, via de regra, aquilo que eu planto, eu colho.

Extrapolando tal concepção para outros aspectos temos a lei da causa e efeito, do "olho por olho, dente por dente", da pena enquanto um consequente retributivo, do karma, e tantas outras visões éticas e religiosas sobre uma lógica interna do universo contra as forças do caos.

De qualquer forma o que esses paradigmas tem em comum é a autossuficiência de determinamos o nosso destino. Está nas minhas mãos o céu e o inferno, o nirvana e o karma, a luz e o umbral e toda a dualidade arquetípica ao longo da da existência humana.

Contudo, tal visão ignora Àquele da qual todas as coisas vieram e nele  existe e subsiste: Deus.

Deus não é uma força, tampouco abandonou a humanidade à sua própria sorte. O Senhor é um Deus moral, pessoal e soberano. Deus é Santo e abomina o pecado. Quando fazemos um mal, pecamos. A consequência do "hamartia" (pecado) é o thanatos (morte). Sendo assim, todos nós deveríamos ir para o inferno!

No mundo espiritual, no tocante à vida eterna inexiste a "lei do jeitinho". Se eu cozinho comida com fezes, não é colocando tempero que agora fica bom para comer. Um tiquinho de cocô estraga todo o prato.

É impossível o homem salvar a si mesmo!

Boas obras não requerem mérito, mas é obrigação. Ninguém louva o ladrão porque parou de roubar. Do mesmo modo as obras não podem comprar a nossa passagem para o céu, pois se assim o fosse, Deus passa de credor à devedor dos bons obreiros.

Essa é a maravilha da graça! Que Deus nos ama em  nossas misérias!

O maior engano de todos é achar que precisamos fazer coisas boas para expurgar o mal de nós. Contudo, a natureza humana decaída é depravada. É preciso entender que o cristão não pratica boas obras para ser salvo, mas porque ele é salvo é que pratica boas obras.

O mérito é todo Dele, de Jesus!

Só através de Cristo, aceitando-o como Senhor e Salvador uma homem pode ser salvo.

Deus não nos deve salário!

Saturday, September 20, 2014

DOM DE PROFECIA E MENSAGEM PROFÉTICA

"Irmaos, acerca do que é espiritual, desejo que não sejam ignorantes...foquem no amor e  busquem zelosamente a espiritualidade, especialmente o profetizar." 
Coríntios 12:1 e 14:1(livre tradução) 
(por Juliano Henrique Delphino)

Na caminhada cristã um dos alvos a serem atingidos é a santidade, pois sem ela ninguém verá o Senhor (Hebreus 12:14). Sua principal característica é a espiritualidade, a qual se manifesta através de sinais. O pentecostalismo com sua doutrina de um segundo batismo, que se dá pelo Espírito Santo, fundiu espiritualidade e sinais nos denominados "dons espirituais" (como popularmente são conhecidos) transformando-os em evidências físicas do que é santo.

Sem entrarmos no mérito da validade dessa doutrina, primeiramente precisamos entender o fluxo estipulado por Deus na caminhada cristã. Resumindo, este se dá da seguinte forma:

     |-----------------------|------------------------|--------------------------|
Conversão      Santificação            Espiritualidade              Sinais

Compreender exatamente cada significado dos termos desse fluxo faz com que tenhamos uma ortodoxia (doutrina correta) de modo que não nos afastemos dos desígnios divino. Em contrapartida, qualquer equívoco pode nos levar ao entendimento errôneo.

O apóstolo Paulo ao escrever a carta à Igreja de Conrínto percebia a grande influência do paganismo sobre as práticas daquela comunidade. Por reminiscências da religião de mistérios, comer alimentos sacrificado aos ídolos, divisão da liderança, prostituição e mística, foram algumas das questões enfrentadas por ele. Na leitura da carta, há um escalonamento apologético sobre as condutas reprováveis e heresias introduzidas e os versículos transcritos no início desse texto são especificamente sobre a "mística".

A mística grega era um ritual de iniciação aos conhecimentos dos segredos e dos mistérios (gnose). Portanto, um místico, era um iniciado em um culto esotérico. Com o foco em conhecer e descobrir as coisas ocultas, a tradição dos místicos era por evolução em graus. Conforme o iniciado ia se aprofundando no ocultismo, falar em línguas estranhas, entrar em transe, proferir agouros e oráculos, e toda sorte de superstições eram marcas de crescimento dentro desses círculos fechados.

Como acontece nos dias de hoje na mistura de práticas do protestantismo, candomblé e espiritismo, nos conhecidos cultos de descarrego, cultos de libertação, cura interior e quebras de maldições hereditárias, era um caso clássico de sincretismo religioso. Para tratar esse problema, Paulo vai na raiz dos conceitos. 

Yaweh é um Deus que tabernacula (faz morada) com o seu povo e a forma como se relaciona é através de Alianças. Deus fez alianças com Adão, Noé, Abraão, Moisés e os hebreus e hoje através de Jesus. Deus não é de coisas ocultas, mas um Deus que se revela. Em Hebreus 1:1-3, temos:"Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho,A quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo. O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas;"


Santidade, portanto, é ser fiel aos termos da aliança com Deus!

Ora, a espiritualidade enquanto marca da santidade se manifesta através de uma vida em conformidade  e obediência aos mandamentos de Deus. O profeta (hb. nabi) do Novo Testamento, assim como no Antigo, não é aquele que prevê o futuro, mas é aquela pessoa chamada por Deus para exortar o povo ao arrependimento e regressar à fidelidade aos termos da Aliança.

O maior princípio da Nova Aliança em Cristo Jesus é o Amor. Por isso o apóstolo Paulo disse: foquem no amor e  busquem zelosamente a espiritualidade, especialmente o profetizar.

A verdadeira mensagem profética está em exortar a comunidade, à luz da Palavra de Deus, a se arrependerem dos seus pecados e regressarem ao "Amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo."

Os sinais, como manifestações miraculosas da verdadeira espiritualidade não são a glossolalia inútil, nem o cai cai e outras coisas aterradoras, muito mais insufladoras do ego e da arrogância pseudoevangélica, do que da piedade bíblica. Deus é o Senhor dos sinais, e estes somente aparecem na medida que são para reafirmarem os termos da Nova Aliança.

Como respondeu Jesus aos fariseus e saduceus que pediam um sinal do céu:

"Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado, senão o sinal do profeta Jonas. E, deixando-os, retirou-se. (Mateus 16:4) ...e esteve Jonas três dias e três noites nas entranhas do peixe...E começou Jonas a entrar pela cidade caminho de um dia, e pregava, dizendo: Ainda quarenta dias, e Nínive será subvertida. E os homens de Nínive creram em Deus; e proclamaram um jejum, e vestiram-se de saco, desde o maior até ao menor.(Jonas 1:17b e 3:4-5) 





     








Thursday, September 11, 2014

PROVAÇÃO E CARÁTER

por Juliano Henrique Delphino
Deuteronomio 8:2 - Lembre-se de como o Senhor, o seu Deus, os conduziu por todo o caminho no deserto, durante estes quarenta anos, para humilhá-los e pô-los à prova, a fim de conhecer suas intenções, se iriam obedecer aos seus mandamentos ou não.

Em minha caminhada cristã tive um pastor daqueles que, se fosse possível, gostaria de nunca tê-lo conhecido. Contudo, acredito que o Senhor permitiu que a gente se encontrasse por dois motivos:
        1- para me servir de exemplo de tudo o que é abominável em um líder;
        2- para me marcar com a única frase útil que saiu de sua boca: - "Deus não está preocupado com o seu conforto, mas com o seu caráter!"

Não é exclusividade da Era Contemporânea a busca pelo conforto e bem-estar. Desde a Antiguidade o homem é egoísta, frívolo e individualista. Talvez por circunstâncias e estruturas do poder essas marcas sejam tão evidentes em todos atualmente ao invés de serem apenas marcas de uma elite, como no passado. O fato é que estamos sempre preocupados com o nosso umbigo.

Não somos simples e nem queremos apenas "o pão nosso de cada dia". Somos obstinados, mimados e a todo custo servimos ao único "deus" que "realmente" importa: o nosso Ego!

Satanás sabe disso e por isso em sua disputa com Deus sobre o caráter de Jó disse: - "Pele por pele! Um homem dará tudo o que tem pela sua vida" (Jó 2:4)  É evidente que nesse caso ele errou e errou feio, mas a experiência nos mostra que a tendência das pessoas é de serem dominadas por suas pulsões.

Diante dessa idolatria do "Eu", desconfio e não acredito na sinceridade e benevolência de toda ética secular. A razão é bem simples, enquanto o fundamento elementar de qualquer edifício moral for o amor supremo ao "Eu",  não existe nenhum tipo de sacrifício real, pois inclusive o "morrer por uma causa ou por alguém" nada mais é do que uma forma velada de culto da personalidade.

Desta sorte, nada disso passam de meros mecanismos de controle social defendendo os mais sórdidos interesses privativos, como forma de assujeitamento e dominação das massas.  Nesse sentido, comungo um pouco com o pensamento anárquico de Max Stirner e de sua "Sociedade dos Egoístas".

Um homem só consegue verdadeiramente ser ético se e somente se conseguir amar a Deus acima de todas as coisas. Está na destruição do Ego e no restabelecimento do governo do Espírito de Deus sobre o espírito humano o princípio da construção de um caráter aprovado.

Ao contrário do que se pensa, caráter não se nasce, se constrói. E a forma como Deus molda o nosso ser para sermos conforme a sua imagem e semelhança é através da provação.

O povo de Israel, da saída do Egito para a terra prometida, ficou quarenta anos vagando no deserto. O texto de Deuteronômio é muito claro, o motivo das dificuldades foi a ação de Deus moldando o caráter de uma nação a fim de revelar as intenções do coração na criação de uma obediência proveniente de um amor sincero e não de uma exterioridade efêmera e hipócrita.

Precisamos entender que sempre temos de escolher o caminho da Porta Estreita. Dilemas éticos nos são postos diariamente e a decisão não deve ser pautada para uma solução que nos seja mais conveniente, mas, sim, para aquela que é segundo à vontade de Deus! E decidir segundo a vontade de Jesus, pode nos trazer várias dificuldades e desconfortos pessoais.

O maior exemplo te todos foi o de Jesus de Nazaré. Ele é o Filho do Homem, o Messias, o Sumo-Sacerdote Escatológico, o Profeta, o Filho de Deus, o Alfa e o Ômega, não porque preencheu as expectativas pseudo-messiânicas dos fariseus e saduceus, mas porque foi o Servo-Sofredor como era do agrado do Pai.